Always Believe '

Acredite em seus sonhos!

0 notas

Já passei da idade de acreditar em algumas coisas, tipo Papai Noel, Fada do Dente e Homem do Saco, mas infelizmente ainda acredito nas pessoas. Digo “infelizmente” porque elas vivem me surpreendendo de uma forma negativa. Não que eu seja uma pessoa ótima e nunca erre, mas gosto de quem se mostra como é logo de cara. Você entende o que quero dizer?

- Clarissa Corrêa

2.709 notas

É fácil errar e colocar a culpa no outro, é fácil passar por cima dos sonhos dos outros sem nem hesitar. É fácil odiar e mais fácil ainda detestar. É fácil atirar a primeira pedra, apontar o dedo ou até mesmo tirar ‘o cavalinho da chuva.’ É fácil rir enquanto outros choram. É fácil desistir ao invés de lutar. É fácil querer partir ao invés de querer ficar. É fácil negar, mentir e enganar. Muitos não gostam de praticar o difícil, muitos não quererem nem perto disso passar. Por isso, hoje em dia, poucos valem a pena do lado ficar. E acredite! É o difícil que faz valer a pena tentar.
A teoria do caos. (via incindivel)

(Fonte: Expurgar, via incindivel)

27.476 notas

Eu tenho milhares de erros. Mas quer saber? Um (uns?) dos meus melhores acertos foi sempre acreditar. Sim, acreditar. Na vida, nos meus sonhos, em mim, em dias bonitos, em finais felizes, em anjos, em tudo que faz o meu coração acalmar. Quem diz que tudo que eu acredito não existe, pra mim é burro. Um completo burro, ignorante e que não sabe nada da vida.
Clarissa Corrêa. (via auroriar)

(via auroriar)

4.653 notas

Eu encontrei outro cara. Ou melhor, ele me encontrou. No meio de tantos outros que atravessaram os poucos metros quadrados do meu apartamento depois de você, ele foi o que permaneceu por mais tempo. Depois de uma busca incessante por alguém que não fosse embora apesar de todas as minhas neuroses, enfim, ele chegou. O engraçado é que ele é totalmente diferente de você. Ele me acorda todas as manhãs com uma mensagem ou uma ligação de “bom dia, já estou pensando na gente”. É fofo, eu sei, mas alguma coisa muito errada me faz ter um pouco de saudade do seu descaso com essas baboseiras românticas. Ele, ao contrário de você, me traz um buquê de flores sempre que pode. Algumas vezes, quando vai chegando o fim do mês, ele é capaz de abrir mão da metade do pouco salário que recebe pra me levar à um restaurante italiano. Você, por outro lado, nunca fez questão de me agradar de tal forma. Uma pipoca, uma coca-cola e uma barra de chocolate pra gente era tudo. Eu aposto todo o dinheiro do mundo que você nunca leu sequer a metade dos livros que ele tem na estante da sala, muito menos algum dos tantos que ele carrega embaixo do braço. O cara que diz me amar vinte-e-nove vezes ao dia já cursou três faculdades, enquanto você ainda está em duvida sobre qual profissão seguir. Ele possui planos para o futuro e você continua dando mais importância pra festa que vai ter no próximo sábado. Eu, sinceramente, não consigo enxergar nenhum defeito em toda aquela estrutura máscula de homem. E continuo me perguntando: por Deus, o que um cara desses está fazendo do meu lado, embaixo do meu próprio teto, na minha cama? Porque o cara mais cobiçado do bairro está sorrindo desse jeito pra mim? Qual o direito que esse par de olhos castanho-claros têm pra olhar desse jeito pro meu corpo nada escultural? Eu juro que não sei responder. Se duvidar, ele também não. O que importa é que, de um jeito meio maluco e irracional, ele gosta de mim. Não, não, como foi que ele disse na última noite que estivemos juntos? Ama. É isso. Ele me ama. Por um longo tempo eu pensei que a única pessoa do mundo capaz de me amar verdadeiramente, com tudo de melhor e de pior que eu tenho pra oferecer, fosse você. Hoje, o cara que me carrega no colo e sussurra que vai me cuidar, é o mesmo cara que segura firme a minha mão e não me deixa ir. Essa, talvez, seja a maior qualidade que ele tenha em relação às poucas que você possui: ele, ao contrário de você, não me deixa ir. Eu juro que já bati o pé e fiz birra milhares de vezes, mas em todas elas ele me entendeu e continuou do meu lado. Confesso que muitas vezes eu quis que ele fosse, enfim, embora. Você sabe mais do que ninguém que eu nunca soube lidar com essa responsabilidade de dividir a estrada com outra pessoa. O irônico é que ele me olha como se eu fosse a mulher mais linda do mundo, feita pro homem mais lindo do mundo. E ele consegue ser, de fato, esse homem. Mas eu com certeza não sei ser essa mulher. Ele morde o lábio inferior como se não existisse qualquer outra coisa no universo que ele desejasse mais do que o meu corpo, os meus lábios e todo o resto que se pode aproveitar. Ele me abraça como se a sua felicidade se encontrasse inteiramente em mim. É engraçado porque, toda vez que ele me conta uma piada sem graça, eu sorrio e lembro que você conseguia se superar na idiotice. Sempre que ele comenta em casamento, filhos e toda aquela coisa de família feliz, eu lembro dos planos que fazíamos juntos no tapete central da sua casa minúscula. Não vou mentir: o que nós tínhamos era infinitamente maior e melhor do que ele me oferece. Ele tem carro, bom humor, atitude, elegância, boa aparência e uma reserva de amor gigantesca alojada no peito. O problema é que ele possui um único e crucial defeito: ele não é você.
Capitule.  (via thiaramacedo)

(Fonte: capitule, via thiaramacedo)

6.179 notas

Com o tempo, você analisa que abrir mão de algo muito importante, só se faz quando se tem um motivo maior que esse algo: seja um propósito, uma crença, um valor íntimo, uma obstinação qualquer que te oriente para essa escolha que já se sabia tão dolorosa. É um sacrifício voluntário por algo mais pleno, mais grandioso em Beleza. E, nestas análises, você descobre outras perdas que são positivas: perde-se também a ansiedade, a insegurança e a ilusão. E você aprende a recomeçar agradecendo por vitórias tão pequenininhas… Como quando é noite e antes de dormir você se enche de gratidão: ‘Deus, obrigada, porque é noite e eu tenho o sono… Que venha um sonho novo, então’.
Marla de Queiroz.     (via thiaramacedo)

(Fonte: caligrafas, via thiaramacedo)

21.731 notas

Se Romeu e Julieta tivessem vivido suas histórias no século XXI, teriam sidos chamados de loucos, insanos e drogados por terem cometido suicido por amor. Até o amor anda saindo fora de moda.
Thiara Macedo (sdpm)

(via thiaramacedo)